terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Em casa


Não sou carioca da gema,
E sim da praia de Iracema,
Pertinho da Volta da Jurema
.
Mas hoje me sinto em casa
Na famosa
Ipanema.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Aos poucos

Aos poucos o pesadelo vira sonho,
E a madrugada, manhã.
Aos poucos os monstros tornam-se anjos,
E revelam os segredos do divã.

Aos poucos me perco em palavras e pensamentos
Para logo me encontrar em prosa, em verso, em texto.
Aos poucos procuro entender as entrelinhas
E me perco no silêncio.

As lágrimas, aos poucos, me encharcam de sorrisos.
Os amigos aos poucos se vão,
Deixando em seu lugar muitos irmãos.

A vida procura o seu significado aos poucos, e ninguém acha!
Aos poucos, e sem sentido, segue seu destino.
Livre caminho, livre progresso, livre arbítrio.

O corpo muda, mas o espelho não nos avisa aos poucos...
Quando vê, já viu!
Aos poucos a vida fugiu...

Ao seu lado, aos poucos, construo minha vida (a nossa)
E sigo a trilha com instinto e paixão.
Vidas, ritmos, luas...

Aos poucos o relógio marca as batidas do coração.

Aos poucos eu prefiro ficar na sua.
Aos poucos eu prefiro ficar nua.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Compras de Natal


O bazar (que eu não sei bem se é um bazar) Pop Corner acontecerá no 00 dias 5 e 6, 19 e 20 de dezembro, com exposição de trabalhos criativos de moda e decoração. A entrada é gratuita. A artista plástica Melina Toffanello colaborou com a coleção de verão da Margarida Maria. Eu já fiz a minha encomenda...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Caderno do Gigante da Montanha


Subi o mais alto que pude para me aventurar. Na última Prateleira contei com a ajuda de um gigante para escalar. Pisei em sua cabeça, e ele, sem reclamar, abriu seu caderno e seu coração para eu bisbilhotar. Li poesias e contos, declarações e confissões. Refleti sobre a vida, o universo e tudo o mais. Pensei no tempo que não volta mais, nos amigos que ficaram para trás, no mundo que precisa de paz. O que eu poderia escrever naquele caderno? O que eu gostaria de deixar escrito para a eternidade? Que ensinamentos poderia eu repassar? Tão pouca experiência, tão enraizada nas coisas do mundo, tão teimosa, tão carente, tão insegura, tão... tão... tão humana... O Gigante leu os meus pensamentos e disse: “Deixe o vento bater e te levar, não dói nada, e aos poucos ele irá modificar a sua forma de pensar. Aos poucos irá redesenhar nas pedras da sua vida, o seu destino. Não tenha pressa, o tempo não existe de fato! Se jogue que o vento irá te segurar”. Eu acreditei no Gigante e me aproximei do precipício. Me lancei no abismo da vida, deixando o vento fazer a sua parte. E assim tem sido: o vento tem batido e me levado (ou lavado?), esculpindo a minha vida, meus pensamentos e reflexões. Tanto bate que aos poucos fura barreiras, abre caminhos.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Noite de sábado

Os amigos aqui, poucos amigos, mas os melhores.
Cervejinha rolando, cartas na mesa e até um "Passport".
Eu que já coloquei all in e sai,
fiquei no computador lendo noticias do mundo cão.
Au au au......
E jogando gamão.
Enquanto isso, tudo gira,
preto no branco,
certo e errado,
amigo e inimigo,
Flamengo e Vasco,
sim e não.
Eu não quero esse mundo vão!
Pensamentos e lembranças de um tempo que não volta mais,
não volta atrás,
e na verdade, se desfaz ou se refaz.
Que tempo?
Aquele tempo, você não lembra?
Tempo em que a amizade era o mais importante,
o trabalho não dava trabalho,
acordar tarde era lei,
caminhar sem hora e sem rumo era diário
e sempre comida no prato.
Casada mas não cansada.
Amada, amada.
Poucos amigos, mas sempre os melhores.
Pouco dinheiro, mas com sorte, muita sorte.
Vibração positiva,
felicidade na vida,
consciência tranquila,
vida ativa.
Noite de sábado, que sábado?
Esse sábado...

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Dia a dia



Na pista, farol verde ou vermelho,
o trânsito é fenomenal!
A parada é obrigatória,
isso é vital.
Na mão dupla, em sentido obrigatório,
olha o sinal!
O carro esquenta e o calor na estrada
é sem igual.
Siga em frente que atrás vem gente,
isso é tradicional.
É proibido estacionar,
situação habitual.
Vans, carros, ônibus, motos... Caos!
Ai, que baixo-astral!
E a vistoria, que fria...
não deixe para o final.
Vire a esquerda ou a direita,
a escolha é fundamental.
Circulação de ideias e pensamentos.
Estado natural.
Dê preferência para a paciência.
Total!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Rimas

Faço poesia barata, rima pobre.
Mas quem disse que não é nobre?
Se estudasse as palavras da mesma classe
Poderia notar a beleza desse enlace.

Rima rica, classe diferente
Mais que uma mistura, é um presente.
Adjetivo, verbo, substantivo,
Um namoro positivo.

As rimas preciosas parecem uma estrela,
Todos querem escrevê-la.
As diferenças nas estruturas gramaticais
Complicam os mais mortais.

Muitas outras coisas fazem parte dessa arte.
Tem ainda a fonética perfeita, imperfeita, toante...
Nem que eu dance ou cante
Consigo explicar esse lance.

A poesia, o verso e a rima
Estão além das formalidades
Inúmeras variedades,
Exploram a liberdade
E encantam a humanidade.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A estranha

A menina anda
O balanço encanta
Quem é a estranha?
Gata, sacana!
A boca exclama

A mente engana
O coração ama
Quem é a estranha?
Não faça manha!
O corpo manda

Ele canta
Chama
Encontra, apronta
E se esparrama
Com a estranha.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

;o)

Esse disse me disse
Fofoca das brabas
Vai e vem
De boca em boca
Causos e contos
Falsos e tortos
Boato no ato
Acaba em ruído
E eu?
Rio!

terça-feira, 28 de julho de 2009

Férias

De pernas para o alto,
Sem salto,
Aproveito o ócio
Sem culpa.
Me derreto
Sob o sol do equador,
Dentro do mar,
Muito calor!
Montanhas de areias,
Dunas que terei que vencer.
Para descer, tabica.
Ao pôr do sol,
No balanço da rede de pano,
Descanso e afogo o ganso.
Lua de mel
Lua de mel
Doce que nem rapadura.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

CRFa1 no Ação Global

O Conselho Regional de Fonoaudiologia do Rio de Janeiro está sempre presente no "Ação Global" explicando a toda a população a importância de cuidar da voz, da audição, da amamentação e estimulando o evelhecimento ativo e saudável.

Abaixo, o filme mostra como foi a atuação dos fonoaudiólogos no evento, nos anos de 2007, 2008 e 2009.



Filmagem e edição: Gui Fagundes


sexta-feira, 10 de julho de 2009

terça-feira, 7 de julho de 2009

Uma janela é tudo que preciso



Através de uma janela conheço o mundo,
pode ser de carro, van ou caminhão,
uma janela é tudo que eu preciso!
Ali, naquele vai e vem, indo e vindo
nas estradas das nuvens,
chacoalhando nas asas do avião...

É na janela que eu vou!

De baixo para cima,
de cima para baixo,
no claro ou no escuro...
Viajo e conheço o mundo.

É na janela que eu vou!

Ali vejo a vida passar,
a criança brincar,
o dia raiar,
o beijo rolar,
o sinal fechar.

É na janela que eu vou!

Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul.
Qual será meu próximo destino?
Qual será meu caminho?
Chapada ou Holanda?
Peru ou África do Sul?
Fortaleza ou Ipanema?
Penedo ou Ilha Bela?
Plêiades ou fundo do mar?

É na janela que eu vou!

Com máquina fotográfica na mão
e sonhos no coração
sigo destinos já traçados e planejados,
não por mim, mas pela vida...

É na janela que eu vou!

E planejo outros caminhos, outros destinos, outras viagens...
Aquelas viagens!!
Precisarei de uma vida inteira para percorrer,
os caminhos que quero fazer!

E é na janela que eu vou!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

A morte de uma estrela

A morte de uma estrela
Renasce em energia,
O brilho permanece
Anos-luz.
A morte de uma estrela
Que foi do céu, ao inferno,
Do céu, ao inferno...
Não importa, é eterno.
A morte de uma estrela

Sempre deixa saudade.

*ao Michael Jackson (1958/2009)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Quando eu crescer...

Quero ser poetiza como minha avó.
Contar causos, contos, sonhos,
e através de palavras encantadas
expor ao mundo o meu mundo.

Quero ser bailarina como minha tia.
Extravasar e experimentar.
Na ponta dos pés dançar
até alcançar a arte de equilibrar!

Quero ser professora como meu pai.
Ensinar, aprender, estudar
a vida, o universo e tudo mais.
Ter a coragem de voar.

Quero ser jornalista como minha mãe.
Escutar, apurar, entrevistar, escrever.
Quero entender o porquê.
Mas... Para quê?

Quero ser calma e serena como um yogue.
Escutar antes de falar.
Não quero gritar ou esbravejar.
Quero é meditar!

Quando eu crescer quero...
Felicidade, amizade, fraternidade.
Amor, humor, calor.
Ser forte e ter sorte.
Compreender aquela briga,
Evitar a fadiga,
Ter vida ativa!

Quando eu crescer quero...
Você ao meu lado
uma roda de grandes amigos,
contar as histórias de uma vida,
cantar as músicas antigas,
relembrar os sonhos e desejos
e ter a certeza de que eu ainda quero...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Beep-Polares


Hoje tem apresentação dos Beep-Polares no Coversa Afinada em Ipanema.

Muita irreverência com Igor Cotrim e Pedro Poeta.

Confiram!

Beco

No meu beco
Vejo flores,
Me entupo de doces,
Sinto sabores.

Cantam pássaros,
Brincam crianças,
Beijam os amores.

No meu beco
A vida é uma só.
Muitos caminhos,
Rumos e destinos.

Sigo com amor,
Sorrio para a dor,
Esqueço o rancor.

No meu beco
Cabe de tudo,
Por isso respire fundo
E se entregue ao mundo.

Para viver com arte,
Ser forte,
Ter sorte.

No meu beco sem saída
Há uma trilha.
No meu beco sem saída,
Está o espaço astral.

No meu beco a saída é o infinito
(de nós dois).

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Poema para Beatriz

Beatriz,
Você é flor-de-lis,
Cheirosa, frágil e bela,
Com um lindo nariz
Que não parece um chafariz.
Amada Beatriz,

Uma eterna aprendiz.
Vai escrever e apagar
As páginas da vida
Com giz.
Doce Beatriz,
Não chore por um triz, tudo passa,
Não precisa chamar o juiz.
O que sobra é a nossa raiz.
Ai Beatriz, Beatriz,
Vai dar muito trabalho,
Será vanguardista como Leila Diniz.
Quase uma imperatriz!
Sem nenhuma cicatriz,
Garanto que será feliz!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Ela Busca

Ela Busca pretende ser uma ferramenta na internet útil e prática para otimizar o tempo da mulher moderna e antenada. É um site de buscas por informações e serviços. A procura é direcionada aos anunciantes no bairro que for mais conveniente para quem pesquisa.

A missão é fomentar a troca de informações profissionais em diversas áreas de atuação. É eficiente quem procura e ideal para o profissional ou estabelecimento que ainda não tem um endereço na web.


As palavras de ordem são: custo baixo, praticidade, foco e interatividade.

O site terá ainda o blog Ela Busca, um espaço aberto aos assuntos do universo feminino e que publica sugestões de textos, fotos, vídeos, comentários sobre filmes, músicas...

Seja um parceiro do Ela Busca, inscreva-se, publique, divulgue!

Se precisar de mais informações envie um e-mail para
elabusca@elabusca.com.br.

www.elabusca.com.br (em construção)
http://blog.elabusca.com.br
http://twitter.com/blogelabusca
http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?rl=ls&uid=15956545675509788066

terça-feira, 12 de maio de 2009

Patota


Diretamente do túnel do tempo... Retirado do blog Patota da Lagoa, http://www.patotadalagoa.blogspot.com/, do Gravatá. Êh turma boa!

Leon Trotski (1879 -1940), teórico do marxismo e um dos principais dirigentes da revoluçao russa de 1917. Presidiu o Comitê Militar Revolucionário bolchevique. Exilado, morreu assassinado no México em 1940.

Guilherme Fagundes (1980-), livre pensador, humanista e um dos principais dirigentes da Turma CS071T, de jornalismo da Faculdade da Cidade. Trabalha com filmagem, edição e roteiro, e tem potêncial para muito, muito mais. Está mais vivo do que nunca.

Qualquer semelhança não é mera coincidência.

* Ciça Rodrigues

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Segundo o Aurélio

Espiral - Adj. 1. que tem forma perfeita ou aproximada de espiral. Geom. 2. Qualquer curva plana gerada por um ponto móvel que gira em torno de um ponto fixo, ao mesmo tempo que dele se afasta ou se aproxima segundo uma lei determinada. 3. Curva ou sinuosidade que lembra a espiral. 4. Mola de aço no centro do volante de um relógio. 5. Citol. Volteamento ou enrolamento dos cromatídeos, na divisão celular. 6. Bot. Denominação empregada clássica, mas impropriamente, em lugar do helicóide. 7. Expl. Dispositivo pirotécnico em espiral que, ao ser inflamado, sobe, rodando e soltando lágrimas coloridas.