terça-feira, 27 de setembro de 2011

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Tô na sua

Tô na sua
Sua cama
Nua e crua
Toda sua

Tô na sua
Sua cabeça
Não esqueça
Toda sua

Suada, amada
Pelo amor, enlaçada.

Minha Princesa Cordel

Minha princesa
Quanta beleza coube a ti
Minha princesa
Quanta tristeza coube a mim
Na profundeza
O amor cavou
O amor furou
Fundo no chão
No coração do meu sertão
No meu torrão natal
Meu berço natural
Meu ponto cardeal
Meu açucar, meu sal

Oh, meu guerreiro
O teu braseiro me queimou
Oh, meu guerreiro
Meu travesseiro é teu amor
Meu cangaceiro
Que me pegou
Me carregou
Que me plantou no seu quintal
Me devolveu
Minha casa real
Minh'alma original
Meu vaso de cristal
E o meu ponto final

Nossos destinos
Desde meninos dão-se as mãos
Nossos destinos
De pequeninos eram irmãos
E os desatinos
Também tivemos que vivê-los
Bem juntinhos
E os caminhos
Nos trouxeram para este lugar
Aqui vamos ficar
Amar, viver, lutar
Até tudo acabar

Gilberto Gil

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Livros

Livros
Despertam a minha libido
Objeto límpido, ilustre
Ideal para lambuzar os ideais.
Livros
Letras que saltam do limbo
Formam palavras, dão liga
Libertam os leitores dos limites do tempo.
Livros
Cantados colorem o lindo lábio partido
Limam a vida linear
Te levam pra variar (ou vadiar?).
Livros perfeitos
Para lagartear.
Livros perfeitos
Ensinam a amar.